Julho 21, 2014


Uma guerra fria é quando alguém nos tenta minar o caminho todo e não nos enfrenta por cobardia.
 E nós reagimos hipocritamente a fingir que não notamos nada.
Até ao momento em que sabemos ambos que as armas estão apontadas e que será na primeira distração que o primeiro ataque se faz.
E sabemos que temos todas as horas do mundo para esperar pelo segundo exato.

Tenho passado algum tempo a pensar que quanto mais tempo resolvo eu todos os assuntos da minha vida, menos preciso dos outros e menos sinto falta deles.
Ás vezes temo estar a chegar à conclusão que quanto mais independente sou, mais sozinha me torno.
Porque já não me faz falta ninguém.
E isso pode tornar-se assustador porque nessa independência não sei onde encaixo a maternidade.

Julho 15, 2014

mais certo que matemática


Quando procuramos uma coisa.
Encontramos sempre.

Julho 14, 2014


Uma mulher que tenta lutar pela sua felicidade é uma leviana.
Um homem que faz o mesmo é um coitado que foi de certeza mal tratado por uma mulher leviana.
Vivo numa sociedade preconceituosa que acha que os únicos que têm direito a refazer a sua vida são os homens.
Nós as mulheres, ou acertamos à primeira e não nos questionamos sobre nada, ou somos julgadas em silêncio por quem não tem coragem de lutar.
Eu, sou esta mulher pouco resignada que prefere carregar o fardo da má língua a viver mal amada para sempre.

Julho 13, 2014



No dia em que a Argentina perde para a Alemanha.
É mais um dia em que sinto que o coração nunca pode levar a melhor.
Porque é sempre o cérebro e a estratégia que ganham às emoções.
E por isso serei sempre uma perdedora.
A não ser que me renda e mude a forma de estar na vida...
Nunca o coração leva a melhor.

Julho 12, 2014


João, João, João.
Chamo-te todos os dias.
Mas tu nunca vens da forma que eu quero.
Nunca vieste da forma que sonhei...

Julho 04, 2014

Este tem sido o meu novo escritório.
E tem sido muito libertador.

Julho 02, 2014

ditado do dia


Quem não vê...
É como quem não sente...

Julho 01, 2014

Acabei de receber esta mensagem.
Obrigada.
Tenho o maior orgulho!


Hoje começou uma nova fase na minha vida.
Subi um degrau na minha segurança individual.
Estou a seguir o meu caminho para ser feliz.
Só por minha conta.

Tinha 4 anos quando o pai  prometeu, à porta da creche, que me iria buscar  à hora de almoço, naquele dia em que chorei a pedir que não me deixasse sozinha na escola.
Avisei a professora Luísa mal cheguei lá acima sozinha.
Subia as escadas quase sempre sozinha.
E a Luísa acreditou em mim e no recado do pai.
Ele disse que vem. Disse eu.
E veio a hora de almoço.
E eu esperei sentada numa cadeira onde os pés não batiam no chão.
E chegou a hora da sesta e todos os meninos foram dormir.
E eu esperei sentada numa cadeira onde os pés não batiam no chão.
A tarde chegou.
E a professora acusou-me de ser mentirosa.
E os pés deixaram de abanar na cadeira.
E o pai só veio à hora habitual.
Quando lhe disse que o esperara a tarde toda ele riu e respondeu só: "se eu disse que te vinha buscar foi a brincar".
Passaram 30 anos e não esqueço isto.
Como não esqueço compromissos que prometeram ter comigo e não cumpriram.
Falhar a palavra é falhar no carácter.
E os homens são exemplares nesse papel.
Pelo menos alguns que se cruzaram no meu caminho.
Eu cresci.
Desiludi-me mais com o tempo.
Mas tinha voltado a acreditar na palavra e que ela bastava como compromisso de honra.
E os meus pés voltaram a baloiçar em vão na minha cadeira imaginária que se chama ilusão.
À exceção de um só homem que é o meu avô, os homens que cruzaram a minha vida serviram todos a seu tempo para me mostrar que continuam a rir e a mentir nas suas intenções.
E movem-se argilosos, como cobras que aparecem nos meus pesadelos à noite.
Sem espinha dorsal.
Sem coluna.
Sem palavra.
Passados 30 anos mudou pelo menos uma coisa:
já imponho bem os meus pés em qualquer chão.
E hoje prefiro ser sozinha a esperar por quem não merece um minuto de mim.

Junho 29, 2014

"he was not ours, he was not mine"



Passamos a vida com pressa de fazer planos.
A vida a cobrar dos outros as expetativas que tínhamos para nós próprios.
Guardamos rancor, criamos mágoas e nascem novos inimigos.
Porque achamos que temos tempo para sofrer e para fazer sofrer os outros.
Andamos todos a brincar com o tempo, a fingir que não sabemos que um dia ele nos apanha.
Hoje morreu um rapaz de 29 anos.
Filho de uma conhecida jornalista nossa - Judite de Sousa.
Morreu afogado depois de bater com a cabeça numa piscina.
Ninguém o viu a tempo, porque era o tempo dele.
O tempo do fim.
A única coisa que é certa, é a única que fingimos não nos acompanhar.
O fim.
O André morreu antes da mãe.
A vida brinca com as regras da própria natureza quando achamos que podemos brincar com a vida...
Passamos o tempo a perder tempo com aquilo que pouco importa.
E perdemos pessoas.
Perdemo-nos.
Perdemos a felicidade por querer privilegiar a tristeza e a raiva. Por ouvir o nosso ego.
E às vezes é já tarde demais para recuperar aquilo que se perdeu... sem dar valor ao que já se tinha.
Bolas...

Hoje lembrei-me de um dos meus grande filmes - Out of Africa - quando se perde um grande amor, não fica mais nada do que a dor...
Não fica nada...
Que ironia é esta vida que nunca nos avisa quando vai acabar...

Junho 28, 2014


O meu cérebro não pára.
Nem quando durmo.
Agita-se numa tempestade de pensamentos e perguntas.
Porquê?
Ando para trás e para a frente.
Mas os corredores não me dão respostas.
Há na minha casa e no meu interior apenas silêncio.
Em tempos achei que a raiva resolveria as minhas inquietações.
Mas não.
Com o tempo e com a idade aprendemos a ser mais calmos.
Principalmente connosco.
O tempo responde a tudo.
O tempo ensina-nos, a nós e aos outros, tudo.
Tem retorno.
Dá lições.
Mas também tira magia e sonhos.
Reencontro-me sempre no Alentejo para onde vim.
Onde venho sempre que me procuro.
O Alentejo é o meu começo.
Talvez seja o meu fim...

Junho 27, 2014


Ando aqui a pensar que se fosse mais ignorante, seria proporcionalmente mais feliz.

Junho 26, 2014

Pior de que chegar ao fim.
É concluir que não há mais vontade de correr atrás.
De lutar.

enquanto andava por monsanto



'Deixa de partir e chegarás.
 Deixa de procurar e verás.
 Deixa de fugir e serás encontrado'. 


Lao Tsé

Junho 22, 2014


Danos colaterais.
É o que as pessoas causam às outras e a si próprias quando não sabem o que andam a fazer.
Danos que alguns podem não ter emenda.

Junho 18, 2014


Acredito que o Universo se move a nosso gosto, mas regido pela justiça das coisas.
Acredito que aquilo que pensamos e cremos com convicção e boa fé, acontece.
Acredito num destino, apesar dos vários caminhos que podemos optar por escolher, mas  há sempre um caminho que é o nosso. O final.
Acredito nas pessoas que ouvem o sexto sentido, como eu e que falam com o que os cá andam e com os que partiram.
Acredito na intuição de forma tão perigosa que tento não ouvi-la todos os dias.
Sei que não há príncipes nem princesas, mas que chega o momento que é o nosso.
O momento em que o Universo só nos dá aquilo que já estamos preparados para receber.


Junho 17, 2014



" It ain't about how hard you hit.
 It's about how hard you can get hit and keep moving forward. 
How much you can take and keep moving forward. 
That's how winning is done!"


Rocky

Nos momentos de grandes crises na vida, tentamos focar a raiva e a culpa nos outros.
E deixamos fugir energia ao desbarato, como um cano furado por todos os lados.
Sai ódio, raiva, maldade e tudo aquilo que nos torna mais pequenos, mesquinhos e menos humanos. Somos mais animais quando pensamos pouco e de forma limitada.
Nestes dias em que o mar tem sido o meu abrigo, percebo que a única energia que deve haver é a boa.
E essa tem que estar guardada para nós.
Fica aqui dentro a alimentar o coração e serve como centro do nosso universo.
E quando o foco passamos a ser nós, nada mais nos desconcentra ou estremece.
Porque se torna um pormenor externo e um desperdício.