agosto 31, 2015

em dia em que faço anos quero relembrar-me da regra básica de viver



"Para ser grande, sê inteiro: nada
        Teu exagera ou exclui.
Sê todo em cada coisa. Põe quanto és
        No mínimo que fazes.
Assim em cada lago a lua toda
        Brilha, porque alta vive."

Ricardo Reis \ Fernando Pessoa

agosto 29, 2015

Encontramo-nos ao acaso numa corrida matinal junto ao rio.
O tempo e as mudanças de vida afastam-nos sem darmos conta.
Depois de um abraço longo e suado, seguimos as duas a correr.
É como se tivessemos ganho tudo de novo num só segundo.
Falamos de namorados, empregos e dos amigos que fomos perdendo pelo caminho.
Estamos as duas sozinhas de novo.
Digo-lhe que já nada me dói da mesma forma, é como se as feridas nunca se curassem por completo.
"Quanto mais o tempo passa, mais desilusões acumulo, mas se deixo de sonhar..." - diz-me e eu sorrio com uma expressão de quem não ouve nada de novo.
Continuamos a correr. Sem falar.
Jantamos na semana seguinte.
Abrando o meu ritmo. E ela segue.
No ar ainda a ouço...
"Mas devemos sempre acreditar no amor perfeito, Joana. Eu ainda não desisti".

agosto 22, 2015



Por causa de um grande amor achei que viver era quase não ter ar.
Por causa de um grande amor larguei um emprego.
Por causa de um grande amor fiz tudo para revolucionar a minha vida.
Por causa desse amor perdi tudo.
Sem emprego. Sem amor para ser concretizado, percebi que às vezes o que fica por contar é mais do que aquilo que sabíamos do outro.
Recomeço a vida do ponto menos 5, ainda nem cheguei ao zero.
Espera-me um longo e duro caminho.
Ao lado tenho sempre pessoas que me recordam que viver vale sempre tudo.
Tudo vale a pena.
Para já levo a mala cheia de roupa que espera por dias quentes e festa.
Guardado no peito vai ainda o desgosto de um engano, mas a esperança de quem quer recomeçar a vida.
Vou partir.
Mas volto.

agosto 21, 2015

está nas estrelas

Viajei para o Brasil em busca de paz, como um retiro espiritual que me faltava fazer.
Perdida no meio do oceano e mata atlântica, olhei para o céu à procura de alguém, como se os anjos se deixassem ver.
Uma estrela atravessou o céu e caiu...
Pedi um desejo baixinho.
Ainda não foi ouvido.
Ainda...
Pinto sempre o cabelo de escuro e mudo a cor do blog.
É como começo sempre as minhas mudanças.
Mas elas já começaram antes por dentro.
Escrever foi sempre dos momentos em que me senti mais livre.
Então sou obrigada a fazê-lo agora.
Este foi sempre o meu lugar, meu por direito.
A dada altura parei de escrever por medo das palavras.
Por medo do que liam além das minhas palavras.
Por várias vezes na vida morremos.
Por uma vez só a menos, nascemos sempre de novo.
E assim nasço eu hoje aqui de novo.
Depois de já ter morrido mais uma vez.
Começo de cabelo escuro.
Mas a alma...
Essa, continua branca, como a cor da minha liberdade enquanto mulher.
O meu blog chama-se Joaninha a voar...
Não é em vão.
Nunca foi em vão.

junho 30, 2015

Um lutador combate sempre de pé.
Com os punhos partidos e o coração em ferida.
Mas fica sempre de pé.
Um lutador quebra só quando não tem espectadores.
O prazer de ser lutador é a crença em algo inabalável.
Mesmo que doa.
Mesmo que quase mate.
Um lutador nunca vira as costas a um combate.
Mas prepara-se antes para ele.
Depois fica no ringue até que um dos dois morra.
Eu estou num ringue de joelhos.
Só à espera que me acertem com aquele que acham que será o último golpe.
Nessa altura combato.
E prefiro morrer de pé a deixar de lutar.
Sempre de pé, até que decida quando quero acabar.

junho 14, 2015



Todos nos apaixonamos assim nem que seja uma vez na vida.
É um ciclo que começa e acaba.
Uma valsa suave que nos embala os pensamentos e permite chegar sempre ao lugar mais bonito do que somos.
Emociona-nos quando nos toca a pele e é o seu sopro quente que nos deixará sempre saudade.
É tão inevitável amá-lo como o deixar partir.
Ele voltará sempre, como terá sempre de voltar a partir por mais que se queira prender para sempre.
Tudo o que é bom demais não é para sempre...

maio 29, 2015


Parece que se chamam indigo.
E que vêem mais além como se o sexto sentido lhes construísse o caminho.
Não têm medo mesmo sabendo que a queda faz parte da estrada.
Terão sempre qualquer coisa de crianças porque não colocam a vida toda em perspetiva.
Falam com os olhos que tem o coração como maestro.
E são do mundo porque nunca pertencerão a ninguém.
Não serão nunca a maioria e por isso são raros e especiais.
Andam por ai,  vivem a vida como um ultimato que só pode dar certo porque a única regra que respeitam é a da intuição.



A vida é o curto sopro do que fazemos dela...

maio 03, 2015

"Não é preciso morrer para ver Deus"

Deito-me numa pedra quente enquanto sopra o vento quente de fim de tarde no Alentejo. Não se houve nada, nem gente, nem aves, nem buzinas ao longe como na cidade onde vivo. É como se o tempo tivesse tirado férias e tivesse partido sem aviso de regresso. Fixo o sol sem queimar o olhar e tento pensar nas respostas todas que coloco à vida, sabendo que ela é apenas um caminho de lições, lições algumas que não quero mais aprender. Sinto-me livre porque não tenho pressa de partir ou chegar. O telefone não toca e ninguém se vai lembrar de me procurar. A carrinha fica aberta e toca músicas várias sem ninguém as escolher. Uns filmam, outros passam as mensagens do telemóvel como se relessem a agenda do dia. Eu fecho os olhos e não procuro mais nada porque estou demasiado esgotada. Acho que adormeço. Acho que acordo com a mesma calma. Toca esta música que me embala e alivia o peso que ganharam os meus pensamentos. Hoje não precisei de morrer para ver Deus...

abril 13, 2015


O que fica dos passos que já demos?

abril 07, 2015


O que fazemos quando percebemos que alguma coisa vai acabar mal?

abril 03, 2015


Sei que me sinto muito sozinha quando volto obstinadamente a fazer desporto para gerir o prazer da dor.

abril 01, 2015

Voltei a fazer desporto.
Como é que é possível eu ter parado?
Seguem-se próximos capítulos. Muito em breve.
À medida que releio e refaço o meu cv penso...
Bolas, eu já fiz isto tudo!

março 16, 2015

A felicidade é um fragmento das ilusões que alimentamos na vida. Não é mais do que um sopro.

novembro 27, 2014


Os grandes amores começam sempre às escondidas.
Porque surgem de repente quando a vida ainda está por resolver.
São aqueles que não planeamos e nos assaltam num primeiro jantar onde achamos que íamos só falar de trabalho.
São quase sempre amores proibidos e impossíveis.
Marcados à pressa contra todos e debaixo do olhar reprovador das aparências morais.
Os grandes amores deixam uma marca igual à de uma cicatriz. que dói nos dias de frio e de mudança,
Chegam e achamos que é para sempre porque nos fazem doer as entranhas e nos tiram o sono e o apetite.
Eu conheci um grande amor a quem dei tudo o que tinha de melhor.
E criei as maiores expetativas porque o meu amor também era maior.
Escolhemos uma casa e fizemos planos para ser uma família.
Mas o meu grande amor não sentia o mesmo por mim e deixou que o capricho de terceiros decidisse o nosso rumo.
Os grandes amores começam às escondidas porque se calhar não deviam acontecer.
Têm o destino traçado para falhar porque não lhes chega a vontade para vencer.
Porque são de uma família só e não deixam mais ninguém tomar esse lugar.
Os grandes amores têm todos passado e filhos e vida.
Eu escolhi sempre mal os meus amores, porque eles nunca me escolheram a mim,
E eu quero chegar em primeiro lugar.
Eu quero ser encontrada sem ser às escondidas como o grande amor de alguém.


novembro 12, 2014


Hoje enviou uma mensagem inesperada.
"Ligue, estou com os avós".
Prometi que então ligava mal pudesse.
Atendeu prontamente e do lado de lá ouvi "é a mãe?".
Respondeu só que era a Joana como se isso servisse para justificar tudo.
Falei com ele e com a avó.
Matei saudades e fiquei mais em paz comigo por saber que sentem a minha falta.
Dizem que os sogros são para sempre.
E os enteados também.
Não casei, mas em tempos tive um enteado Miguel na minha vida que podia ser meu filho.
Não foi,
Mas gosta de mim.
Só porque sim.
E eu sinto a falta que alguém goste de mim assim...

novembro 09, 2014



A minha avó está doente.
Já não sabe bem tudo da vida e vive num mundo que é só dela.
Tem um olhar ausente de quem já não é de cá.
A minha avó ouve quando falamos dela e finge que não sabe que ela é a protagonista.
Às vezes à noite quer vir para minha casa porque diz que a mãe dela está cá comigo.
O avô não a deixa vir porque ele acha que ela está demente.
Eu acho que ela não está demente em tudo.
Diz coisa certas e faz coisas certas.
Vê o que os meus olhos não alcançam.
A minha avó está de partida e eu sinto isso.
Ainda olha para mim com ar de pena porque acha que merecia encontrar um marido como ela tem o dela.
E eu em dias como hoje gostava de lhe pedir desculpa por ter falhado tanto e ter tido tanto azar.
Mas a avó nunca entenderia que os tempos mudaram e hoje trabalhamos tanto quanto os homens e chegamos a casa e ainda temos que ser donas de casa. E que hoje já não aguentamos ser mal amadas, preferimos a solidão.
Às vezes acho que a avó está à espera que eu me apaixone por alguém que também me ame, para ela poder partir.
Mas como é que vou dizer à avó que se calhar ela já não vai assistir a esse momento.
A minha avó está de partida e eu não vou ter tempo de lhe mostrar que não falhei em tudo na vida.

novembro 05, 2014


Não tem mal.
O passado já foi lá atrás.
Já partiu.
Não o viste a ir?
Não tem mal.
Já foi.
Não é mais nosso.
Acabou sem sabermos porquê...
Não tem mal.
A vida é mesmo assim...